Marcos Bazzo

Matteo Gavazzi e Ana Clara Queiroz
19 de julho de 2018
Marcela Oliveira
8 de agosto de 2018
MARCOS BAZZO
Nascido em Tupã, São Paulo, nome de origem Tupi-guarani para Deus (suas terras eram originalmente ocupadas por índios das tribos Caingang e krenak até o início da colonização da região), a cidade preserva até hoje traços da cultura indígena e concentra um dos maiores acervos desse tipo de arte no museu histórico e pedagógico, “Índia Vanuíre”. (https://www.museuindiavanuire.org.br)
Admirador de tudo que se denota culturalmente brasileiro, Marcos Bazzo dedicou sua carreira à experimentar unir as energias primitivas contidas em todas as culturas ancestrais. O resultado são peças únicas, que através da expertise do artista em misturar cores e texturas, nos conseguem levar por uma viagem entre os povos nativos brasileiros, andinos, americanos, bem como ao egito antigo, índia e china.
Designer de interiores por formação e artista nato, sua obra mais recente, denominada “5 Elementos” é uma fusão de energias traduzidas com sensibilidade ímpar, com origem no Taoísmo, que enfatiza a integração do ser humano à realidade cósmica primordial.
O Feng-Shui foi a janela criativa para que a sua obra trouxesse, de maneira única, um twist entre a ancestralidade indígena brasileira e diversas outras culturas que tem os elementos da natureza como regentes. A expressividade de suas peças trouxe o convite para que participasse da edição de 2018 da feira “Na Rosenbaum”, realizada em São Paulo, na qual sua brasilidade sofisticada ganhou grande notoriedade.
“Impactante.” Comentou Cris Rosenbaum.
Sucesso absoluto na “Rosenbaum”, sua arte conquistou a crítica especializada.
“Os adornos de parede do Marcos Bazzo estão na minha ‘Wishlist’.” Lucila Turqueto (Blog Casa de Valentina).
A visibilidade trazida pela feira proporcionou ao artista a possibilidade de expor suas peças na CASACOR 2018 em São Paulo. A convite do arquiteto francês Jean De Just, seus icônicos cocares foram escolhidos para compor o ambiente do parisiense. Com escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro e Paris, desde 2014 se localiza em solo brasileiro, e sua ambição de misturar a cultura européia com as influências e paixões brasileiras, criam um estilo único, criativo, incomum e excepcional. Foi exatamente isto que pôde ser visto pelo público que passou pelo “lavabo dos encontros”, enquanto exposto no Jockey Club da capital paulista.
Amplamente visitado por ser o lavabo funcional da Mostra, os visitantes puderam vivenciar a energia contida no ambiente, que traz, sob a ótica do arquiteto, uma bossa tribal e modernista entre elementos tradicionalmente europeus, como os lambris baixos comuns na arquitetura do velho continente e as curvas fluidas dos móveis contemporâneos, bem como do biombo de azulejos de pintura geométrica assinado por Noel Marinho.
Estas características fazem um contraponto com a alma e a história dos adornos que remetem à cultura indígena.
O ambiente também contou com a colaboração do Cacique Anuiá Amaru, do alto do Xingú, representante das tradições de sua tribo, responsável por colorir as paredes do espaço com azul branco, vermelho e preto. Estas cores representam o céu, os seres vivos e o jenipapo. O tríptico de cores primárias escolhido por Bazzo para completar a imersão aos elementos primitivos, de acordo com o conceito de sua obra, simbolizam o fogo, a água e a terra. Mantendo sua linha criativa com foco na cultura brasileira, trazendo linhas contemporâneas, equilibrando as energias, as peças representam todo legado do artista, que busca em suas origens a inspiração de sua arte.